--
Agende uma consulta +55 51 99547 5151 +1 323 865 3700
Siga nossas redes
+55 51 99 5475151
+1 323 865 3700
1 de agosto de 2020
Cirurgia Robótica no tratamento de casos oncológicos complexos
Escrito por André Berger em
Ao centro, o médico André Berger relata experiência com cirurgia robótica para casos oncológicos complexos. Ele veste um terno cinza com camisa social de cor azul claro.

Ao centro, o médico André Berger relata experiência com cirurgia robótica para casos oncológicos complexos. Ele veste um terno cinza com camisa social de cor azul claro.

O tratamento de casos oncológicos complexos tem exigido abordagens cada vez mais inovadoras. No nosso grupo de pesquisa em Cirurgia Robótica da Universidade do Sul da Califórnia (USC), desenvolvemos várias técnicas e tecnologias que são utilizadas no nosso departamento e, também, em vários outros locais do mundo.

Na Universidade do Sul da Califórnia, contamos com uma equipe de médicos muito forte e arrojada, responsável pelo desenvolvimento do serviço de cirurgia robótica mais conhecido no mundo. Nosso trabalho impacta diretamente no tratamento e na qualidade de vida de pacientes com câncer de próstata, rim e bexiga. 

Entre as principais inovações, está a cirurgia robótica para o tratamento do câncer de próstata em situações em que a radioterapia falha. Nessas circunstâncias, a cirurgia aberta é bastante desafiadora, com riscos de complicações. Ao substituir a cirurgia tradicional pela robótica, comprovadamente reduzimos consideravelmente as complicações do pós-operatório. 

Resultados significativos também foram obtidos no tratamento do câncer de bexiga. Ao popularizarmos a cirurgia robótica, mudamos a forma como as operações são feitas. O processo moderno consiste em retirar a bexiga e realizar toda a reconstrução do trato urinário por via robótica. Os principais benefícios desta técnica são cortes menores, a redução da taxa de sangramento e diminuição da taxa de transfusão sanguínea, isso sem prejudicar os resultados oncológicos.

Gravei esse depoimento em fevereiro, durante o principal encontro de oncologia geniturinária do mundo, o ASCO-GU 2020, realizado em São Francisco (EUA). Assista ao vídeo: